Cirurgia do Cólon

Cirurgia do Cólon

O cólon, também conhecido como o intestino grosso, compõe a parte inferior do trato digestivo. Esse órgão ajuda a deslocar resíduos do intestino delgado até o reto e absorve água e eletrólitos de alimentos não digeridos, mantendo o balanço hídrico do corpo.

As afecções mais comuns do cólon incluem o câncer, diverticulite, obstrução do intestino grosso, sangramento gastrointestinal, doença inflamatória intestinal e pólipos no cólon. Essas condições podem se desenvolver como resultado do envelhecimento, a falta de fibras, o crescimento anormal de células, a genética ou a vários outros fatores. Pacientes com doenças do cólon podem experimentar o sangramento retal, sangue nas fezes, constipação, diarréia e dor abdominal, embora os sintomas podem variar dependendo do tipo e gravidade da doença.

Muitas doenças que afetam o cólon não causam sintomas até que tenham progredido, reduzindo o número de opções de tratamento. Para condições severas ou aquelas que não respondem ao tratamento conservador, a cirurgia pode ser necessária para remover parte ou todo o cólon. Estes procedimentos normalmente podem ser realizada por via laparoscópica

Tratamento cirúrgico das afecções do cólon

A ressecção do cólon é um procedimento cirúrgico que envolve a remoção de uma porção ou todo o cólon. Este procedimento pode ser realizado para tratar muitas condições que afetam o cólon, incluindo a doença de Crohn, volvo, doença diverticular e tumores benignos e malignos. Muitos destes procedimentos podem ser realizados pela via laparoscópica, onde várias pequenas incisões são feitas para introduzir o laparoscópio e instrumentos cirúrgicos minúsculos. Nesse caso o seu cirurgião irá realizar o procedimento através dessas incisões. O abdômen também será inflado com dióxido de carbono a fim de melhorar o campo visual para o cirurgião e garantir bons resultados. O tamanho da porção removida, a via de acesso e a localização dependerão das condições individuais do paciente.

Uma vez que a parte doente do cólon foi removida, a parte saudável é costurada de volta por fios cirúrgicos ou por grampeadores para restaurar o funcionamento adequado do órgão após a cirurgia. Por vezes é necessária a realização de um colostomia que pode ser provisória (retirada através de outra cirurgia algum tempo após) ou definitiva.